Fanpage Tacio Philip
>
página inícial
últimas notícias
lojinha

sobre
- Tacio Philip
- currículo
- meu blog
- facebook

montanhismo
- no Brasil
- alta montanha

arquivos
- mapas gps
- trilhas gps
- cartas topo
- wallpaper

postagens recentes
.: ver todos :.:

contato
- email


Adote um Gatinho


Eu não uso drogas!

Blog Tacio Philip
< Anterior: Escaladas na Pedra Amarela de Munhoz | Listar publicações | Próxima: Escalada em Arcos - Rastro de São Pedro - MG >

17/07/2017 17:08:01 (#563) - Reabertura de trilha na Serra do Lopo - acesso via crista Sul

Continuando a eterna procura por novas trilhas de montanha, há algum tempo eu encontrei, no wikiloc, uma opção diferente para acesso à Serra do Lopo, na divisa MG/SP.

Com o track enviado para o GPS (Veja aqui como baixar tracks/waypoints do Wikiloc pelo Google Earth e transferir para o GPS para poder navegar no mundo real), na sexta-feira, dia 14 de Julho, às 7h da manhã busquei o Juvenil em sua casa e seguimos então para onde começa uma das trilhas para a Serra do Lopo via Joanópolis (ou lá é Vargem? Não tenho certeza). Às 7h30 começamos a caminhada (pelo caminho que já conhecíamos) e, pouco tempo depois, em uma das bifurcações, em vez de seguir para esquerda seguimos o "novo" caminho, até então bem aberto, direto para cima.

A trilha começa muito bem aberta, logo no começo passamos por diversos pés de limão bugre (aproveitei para colher alguns para uma limonada), um pouco mais acima uma porteira de arame farpado, um riacho (único dessa trilha) e fomos subindo, subindo, subindo, a trilha foi ficando mais inclinada mas sempre bem aberta e só teve um ponto onde saímos dela, quando ela faz uma curva abrupta para esquerda (para subir, claro) e tínhamos seguido, não por mais que uns 20 metros, em frente e começado a descer, nada difícil de perceber.

Com mais subida passamos por algumas lajes de pedra, aproveitamos para lanche e fotos e, onde parecia ser o final de uma das subidas, seguimos uma bifurcação que ia para a direita, nos levando até onde havia uma cabana de caçador e algumas iscas (provavelmente para porco-do-mato). Lá mais algumas fotos e logo percebemos que esse era o ponto final da trilha "aberta". O track que estava no GPS nos indicava "seguir para cima" mas não havia mais trilha por lá.

Com a ideia de terminar a trilha fomos seguindo por onde dava para passar melhor, varamos um pouco de mato, subíamos algumas lajes e então tivemos nossa primeira visão do cume, ainda longe, mas o que nos animou. De volta à mata fechada mais vara-mato, mais contorna-pedra, mais sobe-pedra, desce-pedra e fomos seguindo, sempre de olho também no relógio já que, o Juvenil, precisava retornar pouco depois da hora do almoço porque ainda trabalharia naquela tarde.

Aos poucos fomos ganhando altura (nesse trecho bem menos inclinado que o começo), passamos por outra pedra com uma linda vista para o cume ao fundo e então começamos a descer para o colo, onde encontramos algumas fitinhas em árvores e uma trilha um pouco menos fechada (não dá pra falar que era mais aberta).

Fomos seguindo, logo chegamos à base da rocha e, de lá, ai sim uma trilha mais aberta e lajes de pedra que nos levaram até o cume, onde finalmente pudemos ter a sensação de "dever cumprido" e já comentávamos sobre a necessidade de retornar para abrir melhor essa trilha. A descida foi pela trilha que tínhamos feito no mês passado, chegamos no carro e, antes de voltar para Bragança, um merecido almoço no bairro do Guaraiúva (PF a R$9,90 e 500 ml de suco de laranja espremido na hora por R$3,00).

De volta em casa mas com o pensamento de melhorar a trilha pensei: por que não retornar lá amanhã, com a Lorena, para subir novamente? E assim foi, no Sábado cedo levantamos, tomamos nosso café da manhã reforçado, pegamos mais água e comida que eu havia pego no dia anterior (subir "dando um trato" na trilha demoraria mais que no dia anterior) e então seguimos estrada para onde fica o carro (a 24,7 l, de casa) :-)

Às 7h40 começamos a trilha, como no dia anterior mais uma pausa pra colher alguns limões, mais pausas para fotos, descanso e lanches nas lajes de pedra e, cerca de 2 horas depois, estávamos lá onde tem o acampamento do caçador.

Sabendo que, de lá em diante, não existia mais uma "boa" trilha, pegamos o facão e fomos subindo podando o mato (e principalmente os malditos bambus) onde era necessário. Fomos seguindo o caminho exato do dia anterior (melhor meio aberto que nada aberto), quando necessário recorríamos ao GPS (havia mapeado o caminho percorrido no dia anterior) e assim fomos ganhando altura.

O tempo foi passando, passamos ainda por algumas outras rochas, no cume da crista Sul, que não tinha subido no dia anterior e após algumas muitas horas de caminhada, finalmente chegamos ao cume da Serra do Lopo para um merecido descanso e lanche (nem deu para subirmos na pedra do cume para assinar o livro já que havia fila).

Com o começo da tarde e a fome pedindo algo mais que "goiabinhas de chocolate" ou bolachas, logo começamos a descida, pedimos licença para passar um grupo com (literalmente) dezenas de pessoas tentando descer (com o guia rapelando encordado com uma pessoa em um trecho onde é só descer segurando em uma corda com nós) e finalmente estávamos sós na trilha. Passamos ainda por algumas poucas pessoas mas logo saímos na bifurcação que leva, pela crista, para a Pedra das Flores (caminho normal de acesso) ou, para baixo, para onde tínhamos deixado o carro (e, este mês, colocaram uma placa indicativa nessa bifurcação).

De lá mais algum tempinho de caminhada, só uma breve pausa para descanso em uma árvore tombada e logo estávamos no carro, a caminho de casa, para o merecido almoço/janta no final de tarde.

Em casa arrumamos as coisas e, com a chegada da noite, estrada para São Paulo. No dia seguinte, Domingo, de manhã uma ida a um bazar da OBB (cada vez tudo mais caro - e olha que sempre falei que esses bazares eram o único modo de comprar roupas pelo preço que elas valem. Agora, em algumas peças, nem isso!), à tarde filmes e à noite estrada pra Capivari. Hoje cedo de volta à rotina de pedal, em Itu, com o Alessandro e, agora o resto da semana com sua rotina "normal" de (pouco) trabalho, algum treino e bastante planejamento da próxima viagem (em breve!).

Essa "nova" trilha da Serra do Lopo é uma ótima opção para chegar ao cume pela sua crista Sul (mas bem mais difícil que o acesso "normal", são quase 900 metros de desnível acumulado) mas recomendo muito. Em breve retornaremos para dar mais uma melhorada em alguns trechos que merecem mais atenção e espero que passe a ser um caminho mais frequentado por quem gosta de uma boa subida em sua frente.

Algumas fotos dos dois dias no link Reabertura de trilha na Serra do Lopo.

- enviado por Tacio Philip às 17:08:01 de 17/07/2017.



< Anterior: Escaladas na Pedra Amarela de Munhoz | Listar publicações | Próxima: Escalada em Arcos - Rastro de São Pedro - MG >

cursos diversos
- GPS: Operação, planejamento e tratamento de dados
- Escalada em Rocha
- Calculadora hp 50g
- Calculadora hp Prime
- Macrofotografia e close-up
- Photoshop para fotógrafos
- Consultoria fotográfica

fotografias macro
- tradicionais
- stacking
- anaglifos (3d)
- abstratas

fotos recentes
- folk festival
- show helloween - pumpkins united
- show alice cooper e guns n roses
- expo nirvana
- show def leppard e aerosmith
- show bon jovi
- travessia norte-sul no caparao
- escalada em arcos
.: ver mais :.
.: buscar imagem :.

vídeos
YouTube

* será redirecionado para o site:
macrofotografia.com.br

free counters


© Tacio Philip - 2005/17
Não é permitida cópia parcial ou total do conteúdo ou código fonte deste site.
8 Usuários Online (328 nas últimas 24hs)